O extermínio da juventude brasileira: uma realidade

Se a África é o continente financeiramente mais pobre, a América Latina é a região mais desigual do mundo. Não é de se espantar também que seja uma das mais violentas, especialmente quando falamos de Brasil e de juventude.

Segundo o Mapa da Violência 2008, entre 1996 e 2006, os homicídios na população brasileira de 15 a 24 anos de idade passaram de 13.186 para 17.312, representando um aumento de 31,3% em dez anos. O crescimento foi bem superior ao experimentado pelos homicídios na população total, onde o aumento foi de 20% nesse período.

Divulgado em julho deste ano, o Índice de Homicídios na Adolescência,(IHA) reforça este mapeamento e traz uma estimativa preocupante: 33.000 jovens entre 12 e 18 anos assassinados entre 2006 e 2012, se as condições não mudarem. Ainda pelo IHA, que analisou 267 municípios brasileiros com mais de 100.000 habitantes, dentre todas causas mortalidade de adolescentes entre 12 e 18 anos, 45% foi por homicídio, sendo esta a principal, seguida por morte natural (25%)e acidentes (22%). O estudo aponta que o risco de assassinato é ainda maior para a faixa etária de 19 a 24 anos, e decresce a partir daí. Mostra também  que a probabilidade de ser vítima de homicídio é quase 12 vezes maior para homens e que o risco de um jovem negro morrer assassinado é 2,6 vezes maior em relação a um branco. A arma de fogo também é elemento precupante. Segundo professor Inácio Cano, membro do laboratório de Análise da Violência da UERJ, “Está na hora de o Brasil mudar suas prioridades”, ao ressaltar o dado do IHA mostrando que a probabilidade de um adolescente brasileiro ser vítima de arma de fogo chega a ser três vezes maior do que a de ser assassinado de outra forma. “A arma de fogo tem que ser sempre foco em qualquer política de prevenção”.

Por outro lado, o Boletim de Políticas Sociais (BPS) nº 15, do Ipea (Instituto Pesquisa Econômica Aplicada),  constatou que 59,6% da população carcerária do país é constituída por jovens do sexo masculino entre 18 e 29 anos.

Indicadores como estes mostram que os maiores índices de violência tem cor, classe social, sexo e se concentram em alguns territórios. Comprovam também a urgência de políticas públicas que reconheçam a especificidade juvenil e não apenas ações pontuais ou isoladas, que podem dar “ilusão imediata de melhora”, porém poderão até provocar pioras futuras, se não forem efetuadas dentro de um projeto maior e numa perspectiva inovada. O próprio BPS do Ipea sinaliza: “Seria da maior importância que uma política nacional de prevenção à violência fosse estruturada, incluindo ações de enfrentamento de fatores de risco e a potencialização de fatores de proteção, buscando ampliar a ação do sistema de justiça criminal da simples repressão e punição para o tratamento e reinserção social dos apenados”.  Já a pesquisadora da Rede de Informação Tecnológica Latino-Americada (Ritla), Miriam Abramovay, afirma: “Torna-se fundamental uma nova visão sobre a juventude, que fomente sua inclusão e emacipação e que amplie uma rede de proteção social, com oportunidades de estudo e trabalho, com política de combate às diferentes violências existentes, promovendo espaços de arte, cultura, esporte e lazer”.

Infelizmente, o extermínio dos jovens é uma realidade e não um exagero panfletário. A necessidade de posicionamentos, ações e mobilizações de grupos, movimentos e de toda sociedade civil está posta , pois as proporções da problemática diagosticada e vivenciada no nosso cotidiano não diminuirão se agirmos no plano individual. Essa é uma causa coletiva e carece da luta coletiva, especialmente dos jovens, para alcançar as respostas eficientes do poder público e mudança cultural da sociedade.

Jakeline Lira

Fontes e dicas de sites:
http://jakelinelira.wordpress.com/2008/06/28/politicas-de-seguranca-publica-para-jovens-um-longo-caminho-a-percorrer/
http://www.ipea.gov.br/082/08201002.jsp?ttCD_CHAVE=2910
http://www.ritla.net/index.php?option=com_content&task=view&lang=pt&id=4759
http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/07/21/materia.2009-07-21.4662548610/view
http://www.unicef.org/brazil/pt/IHA.pdf
About these ads

3 pensamentos sobre “O extermínio da juventude brasileira: uma realidade

  1. Olá gostei de seu texto… uma dura realidade que precisa ser cada vez mais divulgada para uma mudança de concientização a cerca de nossa juventude!

    Vc me autoriza a publica-lo em meu blog?

    Deus te abençoe

    Késia

  2. Eu seguir vosso conselho e resolvir criar um blog. Não como o vosso, mas numa linha poética. Sabe que faço poesia há muito tempo né? Então… qualquer coisa da uma olhada lá. Comecei agora, por isso, ainda tem poucas e na linha indigena. Valew. XERUUUUUU!

  3. nossa, muito bom o texto, só não acredito na ideia da África ser essa desgraça toda quem vendem por ai…
    adorei… tenho um blog, só bastante novo, quero deixar o espaço lá aberto pra vc…. também, te achei na RJ risos….
    axé! (é um blog mais poetico )

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s